Ide e Pregai o Evangelho...

Ide e Pregai o Evangelho...

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Missões em Moçambique - África




VIAGEM À CIDADE DE BEIRA,
NA PROVÍNCIA DE SOFALA,
MOÇAMBIQUE, ÁFRICA.

Visita ao campo missionário: levantamento de dados do plantio da Igreja e acompanhamento de atividades das missionárias Nina Accioli e Lucimar Barros; no período de 11 a 22 de agosto de 2005.




VISÃO PANORÂMICA DA CIDADE DE BEIRA

ASPECTOS SOCIAIS:

As famílias moçambicanas estão destruídas! O “casamento” parece durar em média quatro anos. A poligamia não só faz parte da cultura do povo, como é permitida pelo governo. O homem quando desposa a sua mulher, paga um dote (“lobolo”) à família dela e, por isso, quando ele não quer mais a mulher, então a devolve, mesmo tendo filhos com ela. Ainda, os homens têm o direito de espancar as suas mulheres e muitas gostam de apanhar, pois assim se sentem amadas. As mulheres se “casam” com cerca de 12 anos de idade e ficando descasadas se entregam à prostituição. Os filhos sem pai, ou sem mãe, não só por causa dos divórcios, pois muitos morrem também por doenças terríveis, crescem sem base familiar e acabam transferindo tais coisas para as gerações seguintes. Isso ocorre em todas as classes sociais. Sem estrutura familiar não há sociedade!
Doenças terríveis matam milhares. Em épocas de enchentes, principalmente, o cólera mata milhares através da água e dos alimentos. A febre tifóide idem. Também a leptospirose. Entretanto, as maiores desgraças são a AIDS, a malária e a anemia (fome). A prostituição e a poligamia são agentes da AIDS, e também as lâminas não esterilizadas usadas pelos curandeiros (feitiçaria) para cortar as pessoas em suas práticas, espalham o HIV por todo o país. A malária está em todo o país e faz milhares de vítimas todo ano: esgoto a céu aberto, muita água parada, ajudam na proliferação do mosquito. E parece que não há campanhas de prevenção feitas pelo Governo. Uma enfermeira e missionária, brasileira, (enviada pela AD Campo Limpo, SP) explicou que a malária atinge principalmente o fígado, e quem sofre de anemia por causa da fome e da miséria não resiste e morre na terceira malária. Então, a fome e a malária matam muitos moçambicanos. Os hospitais são péssimos e na maioria dos casos não há internação, até os doentes mais graves recebem o “remédio” e são dispensados.
A dificuldade na alimentação: as frutas, legumes e hortaliças devem ser lavadas com água sanitária; a água deve ser fervida e filtrada (quem pode só bebe água mineral que é importada da África do Sul). Corre-se o risco de comprar frutas oriundas de cemitérios. A maioria da população de Beira se alimenta de uma massa de milho com peixe seco (salgado) e bebe água de poço.
ASPECTOS POLÍTICOS:

O Governo nada faz pelo povo. Não dão remédios para a malária, não dão para o HIV; até os remédios que chegam por ajuda internacional são vendidos à população. O aluno de escola pública paga para poder fazer prova (avaliação). O jovem aos dezoito é obrigado a se alistar no exército, onde é enviado para cidades distantes, por dois anos. Se ele não se apresentar ao serviço militar perde todos sos seus direitos de cidadania, inclusive emprego. Pode-se também fazer um acordo, que o jovem pague 350.000,00 mt até atingir a idade de 35 anos – é uma exploração cruel. Quando morre alguém, o governo remove o defunto para uma “geladeira” do próprio governo, onde fica cerca de quatro dias, para o atestado de óbito ser entregue à família – muita burocracia. Há liberdade religiosa, porém o governo endossa e estimula a idolatria e o curandeirismo (feitiçaria ou consulta aos ancestrais), chamando os curandeiros de “médicos tradicionais”. Aconselham a população que consultem os curandeiros, e isso ocorre em todos as classes sociais.

ASPECTOS ECONÔMICOS:

A economia do país é de agricultura de subsistência, basicamente milho e feijão. Alguns grupos muçulmanos exportam fibras do sisal e algodão. Há quem sobrevive da extração de ouro. O comércio é quase todo dominado pelos muçulmanos oriundos do sul da Índia. Existem alguns comerciantes da China, também. Há quem diga que os chineses são presos condenados que são enviados das penitenciárias lotadas da China para viverem em Moçambique. No país não existem fábricas, não há indústria. Tudo é importado ou vem de ajuda internacional. Por não terem acesso aos estudos há muito tempo, não há tecnologia e por isso não têm nenhum desenvolvimento.

ASPECTOS RELIGIOSOS:

A herança deixada pelos portugueses é a idolatria, ou seja, o Catolicismo nominal; que mesclado às práticas de feitiçaria (curandeirismo) formam a chamada Tradição. Muitos pais de jovens crentes evangélicos tentam desestimulá-los com castigos como dormir ao relento na volta dos cultos, porque a Igreja combate os costumes da Tradição. Isto é, as poucas Igrejas sérias que ensinam toda a verdade. A maioria das igrejas “evangélicas” moçambicanas (e até missões brasileiras) permite que seus membros sejam polígamos e que consultem os curandeiros para aumentarem o número de seus fiéis. São as igrejas da “porta larga”. A IURD também está fazendo um grande mal a Moçambique com as suas práticas confusas. Afora os mórmos e as testemunhas de Jeová. Também há erros nossos, pois muitos ministérios estão abandonando os seus missionários no campo sem sustento (irresponsabilidade missionária)!
No interior do país, no mato, animais como as serpentes são usadas para matar outros pelo feitiço: o espírito mal possui o animal e vai picar a pessoa para quem o mal foi encomendado.
Os indianos muçulmanos dominam a cidade de Beira, praticamente todo o comércio, tendo como seus empregados a qualquer preço os negros moçambicanos. O islamismo é imposto a esses empregados, várias mesquitas estão sendo construídas e a cultura africana começa a dar lugar à cultura islâmica. Mansões e carrões são vistos na degradada cidade, contrastando com a sua miséria. Os muçulmanos tentaram eleger um presidente muçulmano nas últimas eleições. Se conseguirem tal coisa, torna-se perigoso o país se transformar em um país fechado ao Evangelho, fechando Igrejas e extraditando os missionários!


















OREMOS POR MOÇAMBIQUE!

3 comentários:

Regilene disse...

Infelizmente nós evangélicos estamos nos calando. A ordem de Deus é clara: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura"(Mc 16:15). O inimigo de nossas almas está todo orgulhoso pois o governo não reage, as pessoas nem se quer oram por Moçambique e os mulçumanos fazendo a festa. Deus diz: Se eles se calarem, as pedras clamaram. (Lc 19:40) É preciso fazer algo urgente ter a visão da responsabilidade que é de todos. Ter amor pelos perdidos, sentir essa responsabilidade e a Disposição em agir sob a responsabilidade.
Desperta, ó tu que dormes, levanta-te de entre os mortos, e Cristo te iluminará. (Ef 5:14)
Acorda crente! Já está mais do que na hora de tu despertar, pois Cristo está voltando e está vindo buscar sua noiva. Será que tu vais com Ele para as Bodas do Cordeiro? Pare, reflita, mas age.
“Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a Palavra da Verdade” (2 Tm 2:15). Que orgulho o nosso Pai teve de seu filho amado Paulo. Temos que tê-lo como exemplo e dizer: Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé” [2Tm 4.7) Aleluia! Que Cristo possa nos encher com o seu doce espírito e que possamos orar e interceder por Moçambique.
Regilene Chagas Freitas

KarenLeticia ! disse...

Meu sonho é passar um bom tempo em Moçambique , fazendo missões .

Maria Aparecida Bernardo Bianchini disse...

estive junto com a missão semear do espírito Santo, no mês passado em Maputo e arredores fazendo missões. Foi uma benção, que o Senhor continue abençoando aqueles que se dispõem a cumprir com o ide de Cristo.